Era 10 horas da manhã, na Praça Saldanha Marinho, naquele dia 28 de agosto em Santa Maria. As bandas marcias davam os primeiros acordes de um dia dedicado à cultura. Começava a 1ª Virada Cultural, promovida pela prefeitura municipal. Inspirada no grande evento da capital paulista, a virada santa-mariense teve doze horas de programação reunindo várias manifestações artísticas na Gare.

O espaço escolhido não poderia ser melhor. No berço do endereço que desenvolveu e colocou Santa Maria no mapa, a Avenida Rio Branco e a Gare da Estação Ferrea há muito estavam abandonadas e estigmatizadas. É com a valorização do patrimônio da cidade e com o processo de revitalização da avenida que já levou em seu nome o Progresso, que muitos espaços, antes esquecidos, aos poucos ganham novas finalidades.

Ao redor daquele prédio antigo e ainda imponente pela sombra do passado, casebres, outros prédios antigos e muita história para contar. A Virada Cultural foi uma chance de muitos moradores da redondeza, em especial as crianças que passavam correndo para lá e para cá, se divertirem com shows de música, apresentação de teatro, oficinas de escultura, desenhos e exposições entre outras tantas atrações.

Durante o período em que o evento foi realizado, passaram por ali milhares de curiosos. Talvez não muitos tenham se detido em uma ou outra atividade. Na verdade estava tudo tão perto e simultâneo a ponto de que, em pouco tempo, as opções pareciam se esgotar. Mas o que não se pode reclamar era do ecletismo de quem foi conferir.

Góticos, punks, a velha e a nova guarda e muitas, muitas crianças. Tribos, estilos, grupos diferentes de pessoas que trabalham pelo mesmo: desenvolver a cultura na cidade. Gente dali de perto e gente que veio de mais longe. Incentivadores e apreciadores da arte puderam se encontrar e ver diferentes trabalhos.

Conquistas _ O dia 28 foi bastante especial, também, para o núcleo de teatro do Macondo Coletivo. Foi nesta data que este grupo de atores recebeu uma sala para ensaios. A partir de então o teatro tem endereço novo, amplo e muito bem iluminado. Um espaço que demonstra o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelo núcleo que criou e expande para outras regiões do país o Palco Fora do Eixo, levantando a bandeira das artes integradas. O Atelier Arte Pública também foi contemplado com um espaço. Aos poucos a Gare vai se tornando um espaço que abrigará todas as manifestações culturais e que desenvolva e revitalize um espaço tão especial da cidade. Que o berço do progresso e desenvolvimento da nossa Santa Maria seja, agora, o berço das artes e da cultura na cidade.

Texto: Igor Müller

Fotos: Nathália Schneider

Anúncios

Sobre Macondo Coletivo

Associação de Produtores Independentes Macondo Coletivo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s